patrocinador

Polinose

Com a chegada da primavera, atletas ficam expostos à alergia provocada pelo pólen, também chamada doença polínica

Adicionada em 30 de março de 2016
Polinose
Mais em Por Que Dói

Causa

  • O contato com o pólen das flores e, sobretudo, de gramíneas, desde que em uma concentração acima de 10 grãos por m³ de ar, o que ocorre durante a primavera.

Sintomas

  • Espirros
  • Coriza
  • Coceira nos olhos e no nariz
  • Olhos lacrimejantes e vermelhos
  • Falta de ar devido ao agravamento da asma

Tratamento

  • O uso de medicamentos que controlam os sintomas nasais e oculares.
  • Submeter-se à imunoterapia, popularmente conhecida como vacina antialérgica.

Prevenção

Reação alérgica ao pólen das flores e gramíneas que se espalha no ar durante a primavera

A chegada da primavera é sinônimo de corrida e caminhada pelos parques e ruas arborizadas das grandes cidades. É também sinônimo de problemas para os alérgicos ao pólen, uma vez que é nessa época que se inicia a floração da maior parte das plantas.

Segundo os especialistas, o contato com a finíssima massa de poeira que voa das flores e, sobretudo, das gramíneas dá origem a um processo de alergia chamado polinose, ou doença polínica. “Cerca de 12% das pessoas têm alergia ao pólen, a polinose, podendo chegar a 25% em algumas regiões do Rio Grande do Sul, onde a plantação de gramíneas trazidas pelos imigrantes europeus ocupa áreas extensas”, alerta Nelson Rosário Filho, diretor da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia.

Em geral, esses pólens são leves e, transportados pelo vento, em uma concentração entre 10 e 50 grãos por m³ de ar, podem causar problemas respiratórios, desde simples espirros e coceiras até a asma brônquica.

Nariz escorrendo, coceiras nos olhos e no nariz e falta de ar devido ao agravamento da asma são sintomas da crise da polinose, que pode comprometer o desempenho do corredor. Como o pólen se espalha no ar, não há muito o que fazer para evitar o contato.

A solução é se submeter a um tratamento com medicamentos anti-histamínicos, que, consumidos antes da atividade física, bloqueiam a reação alérgica da polinose. Ou submeter-se à imunoterapia, popularmente conhecida como vacina antialérgica, que consiste na inoculação do extrato diluído do pólen.

Mais dois inimigos

Eventualmente, a polinose pode evoluir para outro (e mais grave) tipo de alergia: a anafilaxia, também desencadeado pela atividade física. Nesse caso, os sintomas mais característicos são “caroços” avermelhados que coçam, chiado, sensação de calor ou formigamento, desconforto respiratório e (nas reações mais agudas) até asfixia, com o fechamento da glote.

Há ainda uma terceira forma de alergia que atinge pessoas que praticam atividade física, chamada urticária colinérgica. “Quando uma pessoa corre, aumenta a temperatura interna de seu corpo, que libera uma substância na pele que desencadeia essa alergia, cujos sintomas são manchas vermelhas e coceiras na palma das mãos, no pescoço e no peito”, conta o dr. Nelson Rosário Filho.

Reação exagerada

Vale esclarecer o que acontece com nosso corpo durante o processo alérgico. “Trata-se apenas de uma reação exagerada do sistema imunológico contra uma substância que potencialmente não é agressiva”, explica o alergista. Traduzindo: mesmo que um grão de pólen não seja um inimigo implacável e perigoso, as defesas do nosso corpo lutarão bravamente para combatê-lo.

 

Leia a seguir: Fascite Plantar